Varejistas: A estratégia de hoje e o olhar no amanhã

Especialista explica o varejo precisa considerar na hora de montar a estratégia de retomada financeira da empresa. Entenda

Apesar das fortes turbulências que o Brasil ainda enfrenta, como taxas de juros nas alturas, cargas tributárias abusivas, inadimplência em ascensão e índice de desemprego inédito, alguns mercados seguem confiantes de que o país está no rumo certo para a retomada econômica.

Afunilando essa análise para o setor de varejo, atacado e serviços, temos percebido elevação nas contratações, reflexo do desengavetamento de projetos e do descongelamento de investimentos. Depois de todos os cortes possíveis nos anos anteriores, chegou o momento de garantir a competitividade dos negócios e focar em uma gestão voltada para o mercado, e não apenas para o custo.

Muitas dessas demandas decorrem das dificuldades financeiras que as varejistas estão enfrentando, seja por uma gestão inadequada no passado, por ineficiência na definição do portfólio de produtos ou na precificação e por escolhas erradas de pontos comerciais ou de parceiros/franqueados. Isso só para citar algumas das razões.

Dessa maneira, muitas empresas precisam reverter a situação por meio de um alongamento de dívida ou da captação de recursos com operações estruturadas. Porém, cada vez mais as instituições financeiras têm dificultado a concessão de empréstimos de longo prazo para empresas endividadas, muito por conta da falta de um planejamento estratégico que passe a segurança de que os pagamentos irão ocorrer sem imprevistos.

Diante desta dificuldade de conseguir a liberação de crédito, muitos executivos das áreas comerciais das instituições financeiras têm sugerido a seus clientes varejistas que recorram a consultorias estratégicas ou de turnaround para ajudá-las a preparar um plano consistente que forneça aos bancos a segurança necessária para continuarem concedendo recursos.

Considerando que este tem sido um fato recorrente, talvez seja o momento de acionistas e principais executivos do segmento varejista pressionar os órgãos governamentais competentes para absorver algum apoio, como aconteceu no passado com empresas de diversos outros setores que receberam empréstimos subsidiados pelo BNDES, por exemplo.

Outra alternativa para as varejistas em dificuldade é se apoiarem em consultorias de executive search que as auxilie de forma efetiva no recrutamento de executivos com perfis diferenciados. Hoje, praticamente 40% das buscas e seleções que tenho capitaneado passam pela área financeira (Diretores Financeiros, Diretores Tributários, Diretores de Compliance e Auditoria).

Uma tendência crescente nas empresas nacionais em processo de profissionalização é buscar bons executivos que consigam mapear riscos tributários, identificar oportunidades de ganho e buscar soluções inovadoras para este momento delicado que atravessam.

Essa estratégia deve ser vista não como custo, mas como investimento. A contratação, por exemplo, de um profissional com forte experiência em turnaround poderá evitar que algumas destas empresas entrem fatalmente em recuperação judicial. É um remédio necessário. E o melhor, nem tão amargo assim.

* Por Tais Cundari, consultora especialista nos setores de Atacado e Varejo do Fesap Group

Posts Relacionados