Páscoa deve movimentar as vendas dos supermercados brasileiros

Previsões da Apas apontam crescimento no comércio durante a data e a possibilidade de contratações no setor.

A Páscoa deve movimentar os supermercados brasileiros. Segundo previsões da Associação Paulista de Supermercados (Apas), o setor deve registrar um crescimento real de aproximadamente 2% nas vendas durante a data, principalmente levando em consideração a desaceleração da inflação que ocorreu no fim do ano passado. O crescimento nominal deve ficar em torno de 8%.

A entidade lembra que a temporada de Páscoa é melhor data de vendas supermercadistas depois do Natal. Ainda assim, a recessão econômica em 2015 e 2016 fez com que o desempenho na ocasião não fosse dos melhores e ainda existem fatores que podem influenciar os resultados deste ano, como desemprego e a redução da renda das famílias.

Os mais procurados
As vendas de chocolate no período devem registrar um aumento nominal de 12%. Para Rodrigo Mariano, gerente de Economia e Pesquisa da APAS, com a renda das famílias comprometida, os consumidores tendem a procurar outras opções de chocolates, como caixas de bombons e chocolates em barra, o que favorece a venda desses produtos em geral, mas pode prejudicar o desempenho dos Ovos de Páscoa.

“O consumidor gosta de presentear os familiares com Ovos de Páscoa, porém, a análise em relação aos preços e a disponibilidade da renda podem inviabilizar a compra”, aponta. Algumas estratégias buscam reduzir esse efeito, como a produção de ovos menores.

Os preços dos chocolates, em geral, devem ser reajustados entre 6% e 8%. “Isso se dá por diversos fatores, entre eles, o preço do açúcar, que subiu em 2016; o alto custo de mão de obra; e o preço da energia elétrica e combustíveis, fatores que impactam diretamente nos custos de produção dos chocolates e ovos de Páscoa”, analisa Mariano.

Fora isso, a data também significa um aumento na venda de produtos como pescados (em especial o bacalhau), vinhos e azeites. A Colomba Pascal também fica entre os destaques, considerado também um dos itens preferidos do consumidor nessa época do ano.

O executivo aponta que o setor supermercadista negocia exaustivamente com os fornecedores para conseguir preços mais competitivos nos itens de Páscoa, o que resulta em aumento nas vendas e atendimento ao consumidor. “Diante de um mercado concorrencial, os supermercadistas buscam sempre as melhores condições para os consumidores, considerando variedade de produtos,
qualidade e preços atrativos”, conclui.

Postos de trabalho
A Páscoa também costuma significar alta nas contratações. De acordo com levantamento da Apas, com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Emprego, nos últimos três anos, a média de incremento no número de empregos é de 1.800 colaboradores. No entanto, diante da queda do PIB em 2015 e 2016, e de um cenário ainda preocupante para as variáveis de emprego e renda, a geração de vagas deverá ser menor, totalizando algo em torno de mil novas vagas.

Posts Relacionados