CDL realiza pesquisa de Intenção de Gastos do 13 salário

A pesquisa foi realizada no período de 09 a 12 de novembro de 2016, com uma amostra aleatória de 400 consumidores, todos em idade produtiva (prováveis possuidores de rendimento mensal).

A metodologia adotada para escolha total da amostra apresenta um índice de confiança de 95% e um erro amostral de 4,33%.

Dados levantados em pesquisa de Intenção de Compras no Dia das Crianças

Renda média da população: A renda média da amostragem da pesquisa é de aproximadamente R$1.756,00, levemente acima da nacional que é de R$ 1.740,00, 4% ganham até um salário mínimo, 46% ganham entre um e dois salários mínimos, 19% ganham entre dois e três salários mínimos, 26% ganham entre três e cinco salários mínimos, 5% ganham mais que cinco salários mínimos.

População Empregada: Da população componente da amostragem, 92% está empregada e 8% está desempregada, sendo que pela amostragem (que não visava especificamente apurar isto) o desemprego em Anápolis está menor que o nacional que está em 11,8%.

Intenção de gastos da primeira parcela:
65% utilizarão a primeira parcela para o pagamento de dívidas, 20% utilizarão para aquisição de bens pessoais, 5% poupará o dinheiro, 3% comprarão presentes, 3% gastarão com viagens, 2% com despesas educacionais, 1% com despesas de início de ano e 1% com reforma e/ou construção.

Intenção de gastos da segunda parcela: 37% utilizarão a segunda parcela para a compra de presentes, 19% para pagamento de dívidas, 17% para aquisição de bens pessoais, 9% para viagens, 7% para gastos educacionais, 6% para reforma/construção, 4% colocarão o dinheiro na poupança e 1% o reservará para despesas de início de ano.

Fazendo-se um breve comparativo da destinação do décimo terceiro salário de 2016 com o de 2015, percebe-se que em 2015, 66% dos entrevistados afirmaram que irão pagar dívidas, enquanto que em 2016 este percentual ficou em 65%, o que demonstra que o consumidor anapolino continua demasiadamente endividado neste tempo de crise, porém tem intenções de saldar tais prestações, o que anima o lojista no sentido de preparar seu setor de cobrança para receber alguns débitos em atraso, quanto à destinação para a compra de presentes, em 2015, 3% destinaram a primeira parcela para tal fim, dado que em 2016 permaneceu inalterado.

Acerca da evolução da destinação da segunda parcela do décimo terceiro salário, verifica- se uma diminuição na intenção de se gastar com presentes com uma retração de 50% em 2015 para 37% em 2016, vale a pena frisar que a maioria dos consumidores são tentados a comprar presentes na última hora, seja pelo recebimento dos seus presente, pelo marketing do comércio ou pela pressão social, e nem sempre o que é planejado é cumprido. Paralelamente a este fator, a propensão a pagar dívidas com a segunda parcela do décimo terceiro salário, caiu de 21% em 2015 para 19% em 2016, mas ainda se observando o fenômeno do pagamento de dívidas com a primeira parcela, deixando a segunda para investir no conforto pessoas e na aquisição de presentes.

Posts Relacionados