Cartões representam quase 38% das vendas do comércio

Esse meio de pagamento já representa 30% do consumo das famílias brasileiras, segundo dados divulgados no Congresso da Abecs.

cartões de crédito e de débito representaram 37,9% do faturamento do comércio no ano passado, segundo dados da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços), divulgados hoje (14), durante o CMEP (Congresso de Meios de Pagamento), que ocorre em São Paulo.

Segundo os dados, essa representatividade tem crescido lentamente ano a ano, passando de 35,5% a 37%, entre 2012 e 2013, indo a 37,3% em 2014, a 37,7% em 2015.

Dos 37,9% mensurados, 23% é do cartão de crédito e 14,9% do cartão de débito. No ano passado, o comércio somou 4,1 milhões de POS (point of sales), sendo que 60% delas já têm a base para pagamento por aproximação – NFC (Near Field Comunication).

Em serviços, o crescimento da participação da moeda de plástico é mais rápida, passando de 14,6% em 2012 para 19,6% em 2016.

Comportamento
A Abecs realizou pesquisa com consumidores de todo o País e identificou que 60% das pessoas usam o cartão de crédito com frequência e que 70% fariam menos compras se não pudessem contar com o parcelamento.

De acordo com Fernando Chacon, presidente da Rede e da Abecs, o cartão é uma ferramenta de inclusão financeira. Ao todo, 95% usam o cartão de crédito todo mês, 47% usam ao menos um dia por semana e 60% usam o parcelado sem juros do cartão.

Embora o cartão de crédito seja o vilão da inadimplência dos brasileiros, a pesquisa mostra que 90% dos portadores de cartão quitam o valor total da fatura – ou seja, apenas 10% optam por outras formas de pagamento, sendo 3% o rotativo.

Rotativo
A indústria de cartões está se preparando para as mudanças na forma de cobrança do rotativo, de acordo com a regulamentação 4.549, do Banco Central, e que deve ser colocada em prática a partir do próximo dia 3.

“O que de fato muda é a forma como o cliente quita seu saldo devedor”, afirma Rubens Fogli, diretor de Produtos e Digital Emissor do Itaú Unibanco, que liderou grupo de trabalho na Abecs sobre o tema.

Na prática, os consumidores terão à disposição mais uma forma de pagamento da fatura do cartão, além do pagamento total, pagamento mínimo (rotativo) e o parcelamento da fatura. Agora, ele terá à disposição o pagamento automático – quando o cliente paga qualquer valor diferente das opções de pagamento já oferecidas, mas superior ao valor mínimo exigido para não entrar em atraso.

Pelas novas regras também, o consumidor poderá usar o pagamento mínimo apenas uma vez – só podendo fazer novamente apenas para novas compras.

Posts Relacionados