6 Líderes falam sobre a cultura que torna suas empresas um sucesso

Qual é o segredo do sucesso? Lideranças reconhecidas revelam o que acreditam ser um importante diferencial em suas companhias.

O que torna uma empresa bem-sucedida? Um produto ou serviço excelente, claro. Mas para chegar a isso, é importante ter um time motivado e que realmente invista para que o produto ou serviço sejam excelentes. Assim, empresas que mantém uma cultura positiva tendem a ter mais sucesso do que as outras.

Pelo segundo ano, a revista Entrepreneur, em parceria com a CultureIQ, ranqueou as empresas com as melhores culturas de escritório nos EUA. Claro que cada negócio é diferente e a cultura de uma empresa pode não ser a mais adequada ao modelo de negócio da outra. Ainda assim, ouvir o que dizem os líderes de companhias bem-sucedidas pode ser muito esclarecedor.

Por isso, a Entrepreneur ouviu seis líderes de empresas listadas no ranking Top CompanyCultures. Reproduzimos abaixo o que alguns deles disseram:

1. Encontre o que funciona melhor para o seu negócio
“Eu tenho resistência em nos comparar a outros negócios de forma generalizada, porque cada um tem uma fórmula diferente. No nosso caso, sempre fomos lembramos de qual é o nosso propósito como organização, o que nossa marca defende, e nunca nos contentamos em ficar no mesmo lugar. Nos pressionamos a entender melhor nosso propósito e aquilo que nos direciona no mercado. Esse pensamento de constante melhoria nos fez o que somos hoje e pretendemos continuar avançando”.

Scott Norton, co-fundador da Sir Kensington’s, empresa que faz condimentos naturais.

2 – Reforce a cultura de cima para baixo
“A indústria de Relações Públicas já tem má reputação: longos turnos são comuns, com horas extras noites em claro trabalhando. Na InkHouse nossa cultura de apoio tem sido um sucesso. Premiamos grandes ideias e damos aos nossos colaboradores o espaço mental necessário para que eles cheguem até elas. O resultado é um ótimo trabalho e um time que está no negócio junto com a gente. Nós apoiamos uns aos outros nas nossas fraquezas e comemoramos entusiasmadamente nossas vitórias, dentro e fora do escritório”.

Beth Monaghan, CEO e co-fundadora da InkHouse Media + Marketing, agência de marketing e RP.

3. Faça com que os colaboradores se sintam em casa
“Cada negócio tem que procurar o que é autêntico para ele. A missão da Gusto é criar um mundo onde o trabalho favorece uma vida melhor. Nós escolhemos quem vamos contratar mais por alinhamento de motivações do que por simplesmente se adequarem à cultura. Por isso, o time inteiro está energizado pela nossa missão e acredita nela. Isso faz com que a solução dos desafios complexos da área de Recursos Humanos seja mais prazerosa, ao invés de exaustiva”.

“Nós também encorajamos as pessoas a serem elas mesmas no trabalho, ao invés de terem uma personalidade diferente para o escritório e outra para casa. Uma maneira de conseguir isso está em nossas normas de cultura. Por exemplo, em nossos escritórios as pessoas trabalham de chinelos ou meia. Queremos que os colaboradores se sintam confortáveis e deixem seus egos do lado de fora. Você ficaria impressionado com o que pode acontecer quando tem uma reunião rápida no sofá com os pés para cima, ao invés de uma sala formal. Você interage de maneira mais criativa e colaborativa”.

Josh Reeves, CEO e co-fundador da Gusto, serviço de RH online.

4. Transparência é a chave
“Transparência é algo que nos diferencia. Anualmente, criamos um documento com mais de 30 páginas que determina exatamente o que vamos fazer neste ano, que posições serão abertas e nossos objetivos. Isso cria uma experiência única onde cada colaborador pode ver em que cada departamento está trabalhando. Essa estratégia leva meses para ficar pronta, já que os times se reúnem para debater ideias e decidir em que iremos trabalhar. Depois, fazemos revisões nesse plano a cada trimestre, para atualizar e checar os objetivos”.

“Nós também construímos uma espécie de tabela que fica exposta em grandes TVs pelo escritório para mostrar o progresso em tempo real das nossas receitas e pageviews”.

“Por fim, temos uma reunião mensal onde os departamentos dividem seus updates e ganhos do mês anterior, seguidos por uma reunião com o CEO, no modelo Q&A (perguntas e respostas). Eu encorajo meu time a me perguntar questões difíceis, tirar suas dúvidas. Às vezes, eles perguntam sobre posicionamento, outras vezes sobre a política de RH. Eu faço o meu melhor para responder tudo de maneira aberta e honesta, assim o time tem uma visão real do nosso crescimento”.

Kyle Taylor, CEO e fundador da The PennyHoarder, site de finanças pessoais.

5. Transmita confiança e empoderamento
“Há três coisas que tornam a Asana um lugar único para trabalhar. Em primeiro lugar, formamos um lugar único, empoderador. Investimos desde uma cultura de confiança a uma estrutura organizacional única, baseada na distribuição de autoridade, que chamamos de ‘Áreas de responsabilidade’”.

“Em segundo lugar, temos uma incrível inclinação para conversas francas sobre coisas que podem dar errado, sem buscar culpados. Há um espirito conjunto de buscar o caminho mais apropriado, não quem estava certo ou errado”.

“Por fim, temos muita empatia pelos consumidores que enfrentam os mesmos problemas que a gente. Estamos construindo um produto que deve ajudar outras equipes a trabalharem com mais claridade e eficiência, e nós também queremos trabalhar assim. Nossos problemas são os mesmos de nossos clientes e resolvemos esses problemas trabalhando no nosso próprio software para obter a resposta”.

Anna Binder,Head of People Operations da Asana, software para mapear trabalho em equipe e gestão de projetos.

6. Faça o que for autêntico para sua empresa
“Nós não prestamos muita atenção ao que outros negócios fazem, porque temos que fazer o que é autêntico para nós. Não acreditamos que haja alguma cultura certa ou errada, desde que você esteja sendo autêntico.No entanto, se eu tivesse que apontar o que é único em nossa cultura, eu diria que é nossa celebração de uma franqueza radical, transparência e vulnerabilidade em todos os níveis da organização, nosso compromisso com desenvolvimento pessoal e nossa crença de que ele está diretamente relacionado ao desenvolvimento profissional. Nossa cultura de alta performance é formada por autenticidade, conexão humana e melhoria continua das competências, e temos muito orgulho disso”.

Sean Kelly, CEO e co-fundador da SnackNation, serviço de entregas de snacks para escritórios.

Posts Relacionados