5 Razões para colocar o mobile no centro da estratégia de marketing

Os dispositivos móveis dominam cada vez mais a experiência dos clientes – e a confiança nesse canal só aumenta.

O mundo ‘mobile first’ já é realidade – as empresas aceitando esse fato ou não. No momento, é imprescindível que as organizações se organizem para que os clientes tenham uma boa experiência nesse canal, que será, cada vez mais, a principal opção de compra. Segundo o estudo Digital Commerce & Marketing Outlook 2017 da Criteo, até o final deste ano, a maior parte dos varejistas online deve priorizar o ambiente mobile em vez do desktop.

O estudo analisou as propensões do mercado e da própria base da Criteo, que conta com mais de 13 mil empresas e 17 mil publishers pelo mundo, para apontar as principais tendências para os setores de e-commerce e de marketing digital em 2017.

Confira os principais insights:

1- Confiança no mobile
O levantamento aponta que os consumidores farão mais compras de alto valor agregado por dispositivos móveis. No ano passado, o desktop liderou essas vendas, mas, em 2017, os consumidores se sentirão igualmente confortáveis para realizar esse tipo de compra por smartphone.

No segundo semestre de 2016, por exemplo, o tíquete médio de pedidos feitos via aplicativos móveis foi 27% maior em relação aqueles feitos por computador. No mesmo período, as vendas realizadas com o uso de browsers em celulares foi apenas 9% menor em relação ao desktop.

2- Dinâmica
O mercado ocidental vai priorizar o mobile no lugar do desktop. Varejistas que são líderes e possuem maturidade na web móvel já percebem 39% a mais de conversões se comparados aos que ainda não estão nesse ambiente. Atualmente, a Ásia (especialmente a China) é líder mundial em participação de vendas móveis, além de guiar em inovação no segmento, fornecendo uma experiência muito superior aos usuários.

3- Formato
Em 2017, os varejistas devem investir mais em anúncios no formato do Google Shopping, também conhecidos como Product Listing Ads (ou PLAs, na sigla em inglês). Expandir os mecanismos de pesquisa para melhorar a descoberta e a conversão de clientes também será necessário.

À medida que o formato Paid Search se torna mais competitivo e os anunciantes ficam mais sofisticados com recursos de segmentação e atribuição, os canais de alto investimento trarão os melhores resultados.

4- Mundo visual
Este ano, a mídia programática será usada não apenas para comprar anúncios em vídeo, mas também para automatizar a criação e otimização das peças. Milhares de variações de anúncios em vídeo geradas dinamicamente permitirão que os profissionais de marketing executem campanhas altamente segmentadas, personalizadas para cada indivíduo.

5- Obsessão por números
Cada vez mais, as marcas vão exigir medidas precisas e imparciais de ROI para mensurar os grandes montantes de dinheiro que direcionam aos varejistas. Os orçamentos de venda e marketing dos fabricantes devem convergir à medida que os consumidores se tornarem mais identificáveis em plataformas e mídias. A competição pelas verbas aumentará conforme as estimativas se aproximem dos objetivos de branding e desempenho.

Posts Relacionados